GT Gestão de Risco ASG e Transparência busca estimular o diálogo e ampliar a compreensão sobre como fatores ambientais, sociais e de governança (ASG) podem se traduzir em riscos e oportunidades para os negócios.

 

As iniciativas debatidas e fomentadas pelo grupo abordam práticas estabelecidas e emergentes de mercado, e buscam contribuir com o desenvolvimento e/ou revisão de regulações para aprimorar a transparência e a gestão de riscos ASG a fim de promover finanças sustentáveis e reduzir riscos relacionados a questões ASG na economia e no Sistema Financeiro Nacional.

 

Suas propostas têm como objetivo aprofundar o entendimento e a incorporação de práticas ASG no mercado financeiro brasileiro; promover discussões e sugestões para enfrentar os gargalos do desenvolvimento de soluções dos riscos ASG e transparência; além de promover e difundir o conhecimento e a capacitação sobre riscos ASG e transparência.

 

Criado no âmbito da cooperação técnica entre Brasil e Alemanha, por meio do projeto Finanças Brasileiras Sustentáveis (FiBraS), a partir de 2022, o grupo passou a atuar por meio de dois subgrupos: i) Taxonomia e Transparência e ii) Risco ASG, Clima e Biodiversidade.

 

Subgrupo Taxonomia

 

Temas abordados: Taxonomia, Transparência de Informações Sobre Riscos ASG e Finanças Sustentáveis

Impactos esperados: Avaliar e identificar elementos que possam subsidiar eventual criação de uma taxonomia de finanças sustentáveis em âmbito nacional.

 

Subgrupo Riscos ASG, Clima e Biodiversidade

 

Temas abordados: Transparência de Informações Sobre Riscos ASG, Biodiversidade e Finanças Sustentáveis

Impactos esperados: Disseminar o conhecimento sobre a agenda de riscos ASG, clima e biodiversidade; e identificar práticas e iniciativas de gestão de riscos de biodiversidade e capital natural.

 

O GT Gestão de Riscos ASG e Transparência é composto por entidades de diversos setores. Confira:

 

zurich_santander

Também participam

2W, ABRAFIBRAS, Absolar, AFD, Agroícone, Amec, B3, Banco Central, Banco Fibra, Banco Plural, Banpará, Brasfi, Candido de Oliveira Advogados, Cescon Barrieu, Climate Policy Iniciative Brasil, Consulado Britânico, Credit Agricole, Dima, Ekos Brasil, Fama Investimentos, Fapes, FECAP, GFA Group, Green Domus, GRI, GVCes, i-Care, IBRI, Impact Bank, Instituto Clima e Sociedade, Itaú Unibanco, Kaeté Investimentos, KPMG, Lefosse Advogados, Mauá Investimentos, Ministério da Economia, Ministério de Infraestrutura, Ministério do Desenvolvimento Regional, Ortenzi Ávila Advogados, Palladium, PRI, Protiviti, PwC, Queiroz Cavalcanti, Rede Brasil do Pacto Global, Sustenseg, Tauil & Chequer Advogados, Tesouro, TNC, UFRJ, UNEP FI, USP, VBSO, Veirano Advogados,Vert Capital, Votorantim Reservas, WWF, XP, Zurich Santander.

 

Aqui você encontra contribuições e conquistas de destaque referente a este GT. Para saber mais sobre cada uma delas, clique nos links disponíveis.

 

Novidades do GT

O LAB lançou dia  19 de outubro, a capacitação sobre Riscos Climáticos. Voltado aos atores do mercado de capitais e setor financeiro, o curso tem o objetivo de contribuir com a maior compreensão sobre os efeitos das mudanças climáticas e a importância da gestão dos riscos climáticos por meio do framework da Task Force on Climate-related Financial […] Leia mais

O avanço das questões climáticas nos debates políticos, corporativos e financeiros é notável, passando de uma esfera institucional para um debate estratégico e de gestão de riscos. Grupos como o World Economic Forum (WEF), o Financial Stability Board (FSB) e o Bank for International Settlements (BIS), além de outras iniciativas e grupos de trabalho do […] Leia mais

Uma iniciativa de: